< Back to All Press Releases

Expansão de usinas de cana-de-açúcar impulsionou crescimento econômico no Mato Grosso do Sul

July 22, 2016

Climate Policy Initiative/PUC-Rio mostra ainda que ampliação dessa indústria gerou mudanças positivas no uso da terra e na redução do desmatamento. Acesse: http://climatepolicyinitiative.org/publication/o-papel-da-cana-de-acucar-no-desenvolvimento-economico/

Rio de Janeiro – A indústria da cana-de-açúcar disparou no Brasil na última década. Entre 2005 e 2012, a área cultivada aumentou em 70%, quadruplicando no estado do Mato Grosso do Sul, que é uma importante fronteira agrícola para a expansão dessa cultura. No entanto, apesar de o Brasil ser o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo e o segundo maior produtor e exportador de etanol, pouco se sabe a respeito do impacto das usinas nas áreas rurais onde foram instaladas.

Um novo estudo do Climate Policy Initiative (CPI) e do Núcleo de Avaliação de Políticas Climáticas da PUC-Rio, através do projeto INPUT, revela que, entre 2005 e 2012, a expansão das usinas de cana-de-açúcar gerou impactos positivos sobre crescimento econômico, uso da terra e redução do desmatamento em municípios do Mato Grosso do Sul.

A análise mostra o quão profundamente esta indústria remodelou a estrutura econômica dos municípios onde estão situadas. Três anos após a chegada das usinas, houve um aumento médio de 30% do PIB, devido a ganhos nos setores de agricultura (65%), indústria (45%) e serviços (13%). As novas usinas também provocaram crescimento de 10% da população e aumento de 31% das receitas fiscais.

O estudo também indica que as usinas provocaram uma modificação no uso da terra, com aumento das áreas de cana, diminuição das áreas de pastagem e crescimento da produtividade da soja e do milho. A maior demanda por terra para o cultivo da cana foi motivada pelo grande crescimento da produção de etanol. Somado a isso, três anos após a entrada das usinas, houve redução média de 27 mil cabeças de gado e diminuição do emprego no setor pecuário nos municípios do Mato Grosso do Sul.

Outro importante ponto observado é que, três anos após a instalação das usinas, o desmatamento diminuiu em 6,3 mil hectares, em média. Os pesquisadores do CPI sugerem que isso aconteceu porque os ganhos em produtividade podem ter reduzido a demanda por novas áreas para a agropecuária. Outro possível motivo é que a chegada das usinas pode ter sido acompanhada por melhorias na fiscalização e no cumprimento das leis – ou porque as usinas pertencem a grandes empresas, cujos impactos ambientais estão mais expostos à verificação por parte de investidores e da mídia, ou porque estes municípios ganham maior visibilidade econômica.

“Os municípios do Mato Grosso do Sul que receberam as novas usinas conquistaram grandes ganhos econômicos, gerados por investimentos privados. Isso mostra que não somente essas localidades, mas também a economia brasileira de forma geral, podem se beneficiar muito com a crescente demanda mundial por produtos à base de cana-de-açúcar”, diz Juliano Assunção, diretor do CPI e professor do Departamento de Economia da PUC-Rio.

Comunicação

Mariana Campos
mariana.campos@cpirio.org
+55 21 35272520 / 972993553